Band discute material didático digital na Bienal

Compartilhando os conhecimentos sobre o uso dos tablets nas salas de aula no Band, o Diretor de Tecnologia Educacional, Emerson Pereira, participou de um bate-papo sobre o futuro do material didático na Bienal do Livro. Também participou da conversa Fernando Moraes Fonseca, da Editora FTD, e como moderadora Susanna Florissi, coordenadora da Comissão do Livro Digital da ABL.

bienal_2

A mesa “Modelos de Negócios para o Livro Digital na Educação”, parte do 5.o Congresso Internacional do Livro Digital, abordou as experiências do uso do material didático digital e sobre o futuro do material em papel. “Estamos vivendo um momento híbrido, portanto, de transição do papel para o digital”, explicou Emerson.

“Não estamos só trabalhando com livros e apostilas, mas também estamos usando os tablets e Plataformas Adaptativas”, contou. “Os computadores, até uma década atrás, eram usados para computação de dados, e hoje, além disso, também são usados para conectar pessoas”, completou.

Segundo Emerson, o Band desde o começo de sua História (há 70 anos) até hoje continua sendo pioneiro no que se diz respeito à educação. “Um novo modelo de ensino, ainda sem forma, está sendo construído no universo da educação; o Band está buscando maneiras de construir junto esse modelo”, finalizou.

Alunos do 6.o ano estudam com aplicativo

Utilizando novas ferramentas como material de estudo, os alunos do 6.o ano mais uma vez inovaram na criação de meios para melhorar o seu aprendizado e o de seus colegas. Nas aulas de História, foi proposto que eles utilizassem o aplicativo Popplet na criação de mind-maps, ou seja, infográficos que organizam ideias e materiais de estudo.

tutancamon1

Para o melhor entendimento do livro Tutancâmon e Sua Tumba Cheia de Tesouros, por exemplo, eles utilizaram o aplicativo e criaram diversos infográficos. O aluno, após fazer o material, pode compartilhá-lo com os colegas através da sala virtual do Moodle.

“O interessante é que a quantidade de aplicativos é tão grande e variada que você consegue apresentar apps diferentes, permitindo que alunos com estilos de aprendizagem distintas possam fazer uso daquele que melhor for ajudá-lo”, comenta Sílvia Vampré, coordenadora de Tecnologia Educacional. “O Colégio sempre preza a autonomia e estas ferramentas auxiliam nisso. Com o iPad e os apps, o aluno está muito mais inserido no seu próprio aprendizado”, acrescentou.

“Gosto muito e acho divertido demais usar aplicativos na hora de estudar. Ele organiza e a gente pode destacar as partes mais importantes para lembrar”, comentou a aluna Nicole Tang. “Eles incentivam os alunos a estudarem; e o melhor é que aprendemos brincando”, completou.

Band Digital Talks atrai professores, pais e estudantes

O Band Digital Talks, encontro que promoveu a discussão sobre o uso das tecnologias digitais na educação, ocorreu nos dias 6 e 7 de junho no Museu de Imagem e Som e no próprio Colégio.

bdt_1

No MIS, a exibição do documentário The Square (sobre a Revolução Egípcia) foi base para o bate papo que se seguiu com José Ernesto Bologna e Augusto de Franco. A conversa abordou as ferramentas oferecidas pela tecnologia, a mudança das relações nesse novo modo de conexão em rede e como a escola deve adaptar-se a essa realidade.

bdt_2

Já no sábado pela manhã professores e convidados puderam participar de debates sobre os desafios da construção do material digital, Plataformas Adaptativas e games. O assunto central de todas as palestras foi como a tecnologia pode servir aos professores no processo de aprendizagem e também como os games são uma forma de aprendizado. A interação entre convidados e especialistas foi o que enriqueceu muito a qualidade do encontro.

bdt_3

Susanna Florissi, Sílvia Vampré e Alcyr Araújo

O debate sobre o desafio que as escolas vêm enfrentando: a construção do material escolar digital ficou por conta da coordenadora da comissão do livro digital CBL, Susanna Florissi, e Alcyr Araújo, CEO da Smartbiped.

bdt_4

Eduardo Bontempo, Helena Aguiar e Alvaro Cruz

A palestra sobre Plataformas Adaptativas, que mostram caminhos para o aprendizado personalizado, foi proferida pelo diretor de Inovação do QMágico, Alvaro Cruz, e Eduardo Bontempo, co-fundador da plataforma Geekie.

bdt_5

Thiago Rivero, Cristiana Assumpção (mediadora) e Francisco Mendes

Logo em seguida, o tema “Games e Aprendizado” foi pauta do debate entre Thiago Rivero, CEO da NeuroGames, e o Consultor pedagógico Francisco Mendes.

No período da tarde, mais de duzentas pessoas assistiram à palestra do gameplayer Monark, no ginásio do Band. Monark, que é um fenômeno da internet, foi um dos primeiros brasileiros a utilizar a ferramenta do YouTube para produzir vídeos nos quais testa videogames.

Confira o bate-papo dos encontros na íntegra:
Band Digital Talks – MIS
Band Digital Talks – Mindset papel x Mindset digital
Band Digital Talks – Plataformas Adaptativas
Band Digital Talks – Games e Aprendizado
Band Digital Talks – Monark no Band

Galeria de Imagens:
Documentário “The Square” e debate no MIS
Bate papo sobre Tecnologia e Educação
Monark no Band

Confira os depoimentos de quem esteve no evento:

“Como disse Augusto de Franco, na debate no MIS, ‘não estamos vivendo uma era de mudanças, estamos na verdade numa mudança de era’. A educação é a protagonista dessa transformação, por isso ser o centro dessas discussões é muito importante.” – Helena Salles de Aguiar, Gerente de Planejamento Estratégico.

“O Band Digital Talks foi importante para discutir, pensar e dar sentido para as novas práticas pedagógicas que estão surgindo com a tecnologia.” – Susana Vaz Húngaro, coordenadora de Língua Portuguesa.

“Foi muito interessante poder discutir essa introdução das novas ferramentas para aplacar a ansiedade e perceber que os profissionais da área estimulam e compreendem o lado dos professores nesse desafio.” – Márcia Abdo, professora de Geografia.

“A grande importância deste evento foi a divulgação e todas as possibilidades que você tem para trabalhar com os alunos, desde a Plataforma Adaptativa até os games. Nós vimos que não é necessário ser ansioso porque temos tempo para essa adaptação.” – José Ricardo de Almeida, coordenador de Química.

“Durante os debates e bate-papos, foi importante ver que os especialistas estão valorizando os professores e perceber que nós e os especialistas estamos na mesma situação. A construção nesse processo é coletiva e estamos buscando os benefícios dessa transformação através do diálogo e debate.” – Cristiana Mattos, coordenadora de Biologia.

“É muito importante ter eventos como o Band Digital Talks porque ele reuniu diversos especialistas em tecnologia e isto quer dizer que estamos inseridos num contexto maior em que se está discutindo o papel da tecnologia. A reunião de profissionais de várias áreas com o foco na educação foi essencial para o sucesso do evento.” – Marise Hansel, professora de Língua Portuguesa.

“Saí do Bandeirantes muito feliz no sábado. Conversamos, rimos, trocamos ideias, rimos muito os alunos se divertiram com o Monark! Acho que XXX muito. Vamos nos preparar para fazer um evento ainda melhor em 2015. Quem sabe com alunos palestrando!.” – Emerson Pereira, Diretor de Tecnologia Educacional.

“Eu achei todas as apresentações extremamente interessantes e pertinentes ao momento em que estamos vivemos. A escolha dos profissionais foi excelente assim como os temas abordados. Estamos num momento de reestruturação e inovação em métodos de ensino e tudo o que foi dito nos bate-papos vale ser ponderado.” – Marly Machado, coordenadora de Laboratório de Física.

“O ideia principal do Band Digital Talks foi de ver como que a tecnologia facilita a educação, pois esta é foco principal. A tecnologia apenas é um meio para que a educação atinja a pessoa das melhor maneira possível” – Ricardo Aguirre, coordenador do Departamento Cultural.

“O evento trouxe palestras bastante motivadoras e contou com ampla participação dos professores, que trouxeram perguntas e questionamentos, promovendo a reflexão sobre a era do conhecimento. O fato desse evento ter sido realizado no Colégio Bandeirantes mostra-nos o engajamento do nosso corpo docente nesse panorama de grandes mudanças.​” – Mario Abbondati, coordenador de Tecnologia Educacional.

“Gostei muito do que ouvi sobre o mercado das editoras de livros em formato digital, especialmente quando a palestrante Susanna disse que, salvo os livros didáticos, que devem ser todos convertidos em breve, ela acredita que o livro em papel não vai acabar, que o manuseio dos livros, a apropriação do objeto também é importante.” – Karla Somogyi, professora de Língua Portuguesa.

“A proposta do evento foi muito relevante porque ela dá abertura para as ideias dos professores em geral sobre novas estratégias de aulas que podem ser utilizadas. Este tipo de evento fornece várias sugestões de novas atividades que podem ser desenvolvidas pelos alunos de formas diferentes das tradicionais.” – Elisabete Rosa, coordenadora do Laboratório de Química.

“O Band Digital Talks confirmou que a mudança da geração papel para a digital já é uma realidade e serviu para levantar questionamentos de como podemos aproveitar as novas tecnologias para introduzir essas inovações como uma nova forma de ensino em sala de aula. Dessa maneira, compartilhando conhecimentos, iremos evoluir juntos e poderemos aproveitar o que o Band tem de melhor: seu recurso humano e sua postura inovadora.” – Eliane Costa, Gerente de Editoração.

“O evento foi de altíssimo nível, muito bem organizado e trouxe palestrantes preparados com uma visão ótima nas tendências de educação. Para mim, foi muito proveitoso e esclarecedor.” – Vera Malato, coordenadora do Departamento de Orientação Educacional.

Monark: Band Digital Talks une educação e tecnologia

Estimulando a discussão sobre o uso das tecnologias digitais, o Colégio promove o Band Digital Talks, evento que contará com a exibição de um documentário, palestras e bate-papos. A ideia do Band Digital Talks é ampliar o diálogo com professores e toda a comunidade do Band sobre o uso materiais digitais.

Cartaz

Ele se iniciará no Museu de Imagem e Som (MIS), na sexta feira (06/06), com a exibição do documentário The Square. O filme retrata o andamento da Revolução Egípcia de 2011 e sua origem a partir da Praça Tahrir. O principal objetivo é discutir como as conexões e interações estão mudando a dinâmica social no planeta, nas cidades e nas escolas. Para debater o assunto, foram convidados José Ernesto Bologna, Consultor em Psicologia de Desenvolvimento aplicada à Administração e à Educação, além do Criador da Escola de Redes, Augusto de Franco.

O sábado (07/06) inicia-se, no Bandeirantes, com um debate sobre o desafio que as escolas vêm enfrentando: a construção do material escolar digital. São convidados a coordenadora da comissão do livro digital CBL Susanna Florissi, além de Alcyr Araújo, CEO da Smartbiped.

Na mesma manhã, haverá palestras sobre Plataformas Adaptativas, que mostram caminhos para o aprendizado personalizado, com o diretor de Inovação do QMágico Alvaro Cruz e Eduardo Bontempo, co-fundador da  plataforma Geekie.

Logo em seguida, o tema “Games e Aprendizado” será discutido entre Thiago Rivero, CEO da NeuroGames, e o Consultor pedagógico, Francisco Mendes. Todas estas atrações da manhã de sábado serão transmitidas ao vivo por webcast no site do Colégio.

Já no período da tarde, finalizando o Band Digital Talks, o gameplayer Monark realizará um bate-papo sobre o jogo Minecraft, que consiste na construção do mundo através de blocos. “Muitas vezes os games são vistos apenas como um meio de distração, mas na verdade o Minecraft, por exemplo, contém muitos conhecimentos sobre Física, Química e Geometria Espacial. Queremos desmitificar este tipo de pensamento”, comentou Emerson Pereira, Diretor de Tecnologia Educacional do Band.